Cesar Teixeira: um artista político
Tecnologia do Blogger.

Cesar Teixeira: um artista político

IMG_1330

[íntegra da entrevista publicada hoje (10) O Imparcial]
Para o artista, sua arte engajada é decorrência da consciência de que “o artista pode, também, ser uma ferramenta de mudança”
TEXTO, ENTREVISTA E FOTOS: ZEMA RIBEIRO
A reportagem de O Imparcial encontrou o compositor Cesar Teixeira ensaiando para uma apresentação no arraial do Largo de Santo Antonio. Era manhã de sábado, em São Luís, e o artista encerraria sua participação na temporada junina, após alguns shows solo e a presença em diversas apresentações no espetáculo que homenageou o LP Bandeira de aço, gravado pelo cantor e percussionista Papete, recém-falecido, grande homenageado do São João 2016.

Cesar é autor de três faixas – além da faixa-título, Boi da lua e Flor do mal – de Bandeira de aço, lançado em 1978 pela Discos Marcus Pereira. Mas o artista, que atua em várias frentes, já estava em cena bem antes: como artista plástico venceu um salão intercolegial de pintura ainda em 1969; em 1972 participou de festival de música com Salmo 70, parceria com o poeta Viriato Gaspar, mesmo ano em que ajudou a fundar o Laboratório de Expressões Artísticas do Maranhão (Laborarte), onde conviveu com nomes como Sérgio Habibe e Josias Sobrinho – outros compositores de Bandeira de aço; o grupo se completa com Ronaldo Mota – além de artistas de outras linguagens: fotografia, cinema, teatro, artes plásticas.
Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) na década de 1980, Cesar passou pela redação de O Imparcial, onde foi editor de Cultura (1986-88). Em 1985, interpretada por Cláudio Pinheiro e Gabriel Melônio, sua Oração latina venceu o Festival Viva de Música Popular do Maranhão. Em 2010 foi homenageado pela escola de samba Favela do Samba.
Dono de vasto repertório, a obra de Cesar, a partir da experiência laborarteana, é impregnada de elementos da cultura popular do Maranhão, de que é um pesquisador, e de crítica e denúncia social, constituindo-se num conjunto único de uma arte bastante engajada, entre música, poesia, pintura, cordel e teatro.
Foi este componente político que pautou a entrevista que o artista concedeu a O Imparcialapós o ensaio.
O Imparcial – O engajamento na arte sempre foi uma preocupação tua? Você nunca conseguiu fazer nada despreocupadamente, arte pela arte?Cesar Teixeira – Sempre fiz. Mas eu sempre tive uma consciência de que o artista pode, também, ser uma ferramenta de mudança.
Você se sente obrigado a fazer uma arte mais politizada?Não. A minha politização está na faixa da normalidade poética [risos]. Então eu não me obrigo, não me amarro, tanto que eu não pertenço a partido nenhum até hoje. Sou uma cara com uma consciência, com uma formação livresca socialista, sempre fui. Mas como não existe partido socialista, só na sigla, no Brasil, me preocupo mais em estudar e aprender com os exemplos. Isso de certa forma influencia minha arte, claro, não tem como. Você exterioriza aquilo que está em seu espírito, em seu conhecimento. Involuntariamente eu posso fazer um verso que pode ser considerado engajado, proposital, por que é música de protesto. Não! Eu fiz por que eu achei que era minha inspiração naquele momento. É como você ver uma pessoa pedindo esmola e fazer um verso, aquilo é uma atitude política. Não precisa dizer que [muda a entonação, como a imitar alguém que recita:] “é por que o país”… não! Você vai falar de outra forma, “um dia cairá uma estrela em suas mãos”, por que todo mundo joga moeda, eu tou inventando isso agora.
Um ótimo exemplo disso é Dolores, que Flávia [Bittencourt] gravou [em Sentido, seu disco de estreia, 2005]. Uma música de uma poesia exuberante, com uma denúncia social fortíssima. Você está denunciando uma série de coisas ali.É, uma música engajada, mas não perde a ternura. Uma linguagem metafórica muito rica.
É interessante: você falou que socialismo no Brasil só na sigla. Eu costumo brincar dizendo que um dos problemas do Brasil é etimológico: as siglas estão falando em socialismo, comunismo, mas os socialdemocratas na verdade são neoliberais, quem é democrata é reacionário, quer dizer, não existem, na sigla, o partido homofóbico, o partido misógino, o partido machista, o partido militar, mas estas categorias estão representadas politicamente.Na prática… existe uma história de pessoas que eu respeito, que eram competentes, como [Carlos] Marighella, como Gregório Bezerra, Maria Aragão, esses eram socialistas, de fato. Hoje em dia o partido são os caras que são figurões, medalhões, que de certa forma roubam esse caráter, de certa forma incorporam uma coisa que não é deles. Em nome do socialismo se comete tanta atrocidade que é caracterizada pelo capitalismo, por ser um capitalismo selvagem, e a pessoa corrupta, preconceituosa, nada que se assemelha a um ideal, eu não considero utopia, todo sonho pode ser realizado. Mas nem se aproxima, é como se estivesse andando pra trás, então por que não muda o nome do partido? Partido de direita. O partido, na minha opinião, nem sempre representa os interesses da população. Por exemplo, o PT. Eu poderia ter sido membro do PT naquela época, até cheguei a me inscrever, perderam minha ficha, eu digo, “pô, perderam minha ficha?” Eu dei graças a Deus, eu estava certo. Quando eu cheguei, uma das sedes provisórias, eu discuti a reforma agrária, pra mim até hoje é uma coisa séria. Mas eu não notei nenhum interesse. Eles queriam divulgar, nos jornais que eles faziam mimeografados as ideias de Lenin. Eu disse: “olha, o povo não vai compreender isso. Vocês estão tirando praticamente do livro, copiando, tem que ter um trabalho de educação política, antes”. Foi a primeira coisa que eu vi e condenei. Aí eu fui logo rejeitado. Tipo: “ah, é um artista, um bêbado”. Eles não sabiam que eu tinha uma cultura política, e faço questão de preservar. E sempre fui rejeitado, não só por esse partido, mas por outros que tentaram, várias vezes fui convidado a participar de partidos.
Jornalista de formação, com essa cultura política que faz questão de preservar, como você avalia, sente, como jornalista e artista, esse momento turbulento por que passa o país, com a cassação de Dilma, a ascensão de Temer ao poder?Isso tem muito a ver com tudo o que falei agora. O PT se proclamou, embora não tivesse socialismo no nome, levantou a bandeira da democracia e democracia é uma palavra forte, tem muito a ver com a participação da população. A transformação de Lula em um mito foi um prejuízo muito grande para o movimento social. Por que se imaginava que sua liderança e competência, inclusive eu ajudei na campanha, ajudando a pintar paredes, comi mocotó frio de madrugada.
A campanha de 1989?As campanhas, de modo geral, eu participei de todas, desde a anistia. Eu estava em todas, nem sei contabilizar isso aí, mas eu tava lá. Depois disso, o PT, que seria uma esperança, se pensava que seria uma coisa nova, não tem socialismo no nome, comunismo, mas pode ser uma alternativa forte de inserção de algumas ideias socialistas no Brasil, que se perdesse o vínculo com os rancores do passado, com os partidos comunistas, coisa que ainda existia. O PT era uma coisa nova. Mas não. Quando eu vi, eu disse: “isso vai dar em merda!” Se criou um mito. Depois dessas eleições conturbadas não se conseguiu resolver os problemas de base.
Em sua opinião, qual é o momento da criação do mito? As greves operárias do ABC, a primeira campanha em 89 ou a primeira eleição em 2002?As greves!
Muito antes de Lula chegar ao poder.É uma figura importante. Quando assume o poder os movimentos sociais tocam foguete, comemoram, tomam cerveja.
E grande parte dos quadros dos movimentos sociais vai para dentro do governo.E o movimento, veja só, fica estagnado. Movimento, a palavra já está dizendo, é uma coisa dinâmica. Os movimentos ficaram paralíticos. Pensaram: agora vamos ter reforma agrária, vamos ter as terras indígenas preservadas, vamos ter a água preservada. O essencial. Talvez uma reforma política, que também era essencial, nunca foi feita. Nunca aconteceu nada disso. Sabe o que aconteceu? O bolsa-família, que eu acho que é uma negação de direitos humanos. Ajuda, por que tem pobreza. Mas tem pobreza por que não tem reforma agrária. O cara lá do interior recebe bolsa-família por que ele não pode plantar, por que ele não tem emprego. Então, isso vai ficar por quanto tempo? Se você não dá cidadania, se você não dá condições de o cara sobreviver, essa cesta básica me parece uma coisa de coronel. Minha crítica é muito dura com relação a isso. Evidente que as pessoas que me ouvem, ligadas aos partidos, vão me recriminar com muito furor. Mas minha posição sempre foi essa. Não se construiu, pelo menos não se aproximou, da ideia de um socialismo. Não precisa ser um socialismo convencional. Ainda mais num país que depende de outros, de um capitalismo que é interligado, um país querer se separar do resto, como uma ilha.
Mesmo uma ilha enorme como o Brasil.Mesmo uma ilha enorme e com condições de sobrevivência, por que Cuba não tinha. Aqui você tem ouro, prata, aquilo que Portugal não levou e os americanos não levaram, sobrou alguma coisa. As terras, a cultura, a natureza exuberante, mas isso ficou paralisado. Hoje quem estuda a nossa flora são companhias estrangeiras, que de repente levam toda essa informação que os índios, por exemplo, têm, para investigar lá fora. No Amazonas não se tem uma escola, uma faculdade para formar pessoas pra trabalhar a questão da floresta, não para derrubar e depois plantar eucalipto, mas para transformar essa informação. Tem animais e tem plantas que ninguém nem sabe o nome, mas que podem representar a cura de um câncer. A gente sabe que a química e a farmacologia dependem da natureza para existir. O cara não inventa uma fórmula dentro de um laboratório, sem nada. Com o quê que ele vai trabalhar? Isso no Brasil não se faz. Então muita coisa, fora os direitos negados, da própria Constituição, que não se exerce. Daí a decadência desse governo petista. Não é por nada, ninguém forçou a barra, eles mesmos se destruíram, foi essa autofagia, o partido se devorou a si próprio. Não resta mais nada, só osso.
Com toda essa crítica ao governo do PT não dá para legitimar o governo Temer.Uma coisa não tem a ver com outra. Talvez seja um outro ponto que tem que ser considerado: a contribuição do PT para o retrocesso. Se tivesse feito uma coisa bem feita não haveria retrocesso. Temer, PSDB, DEM, é retrocesso! Por que isso aconteceu? Por causa do fracasso das pessoas bem intencionadas, entre aspas. Hoje a gente poderia estar respirando melhor no país. E hoje a direita bate palmas. Você vê um deputado que elogiou um torturador em plena sessão aberta, com canais de televisão, e o cara não foi preso, está aí. E só foi processado por que o povo foi para a rua e começou a debater. Tem pessoas que não podiam nem se candidatar. Por isso eu acho que tem que ter uma reforma política: o sujeito que cometeu crimes, que tenha interesses econômicos, deputado nem devia ganhar tanto quanto ganha. Eles vão pensar: “o que eu vou fazer lá, se eu não vou ganhar tanto?” O idealista vai. Hoje em dia o cara vai lá por que ele vai ter imunidade, se ele é ladrão, lá ele vai conseguir se salvar, se elege para escapar da justiça, chega lá não faz porra nenhuma, nem assina o ponto. Outros estão ali para manter seu partido vivo, por que seu partido é um balcão de negócios. Então a política não serve pra nada, nesse sentido. Esse modelo político é que deveria ser trabalhado, mas veja só como as forças reacionárias é que mandam, os fazendeiros, os empresários. Não foram os empresários que elegeram a maioria desses deputados que estão aí? Esse interesse capitalista não tem muito a ver com a natureza humana. O nosso planeta vai ser reduzido a um cocô por conta desses caras. Eles querem desmatar. Pra que serve o dinheiro? Eu questiono. Porra nenhuma! Pra que serve o poder? Pra nada! Se as pessoas dissessem “vamos organizar esse poder pra gente sobreviver mais um milhão de anos”, pra não faltar água. O espírito humano é muito hedonista, niilista e narcisista. O político se ama, ele não ama a população. Ele quer ver dinheiro. Ele não quer saber se a pessoa está passando fome, se o índio é feliz ou não, se estão desmatando. Basta a escravidão que houve quando o Brasil era colônia de Portugal, aquilo era um crime hediondo.
E o governo Flávio Dino, um ano e meio depois?Flávio Dino carrega nas costas um grande abacaxi. Ele vai ter que resolver, descascar. Ele tenta. É um cara que a gente conhece de perto, mas que lida com os mesmos vícios, antigos. Você não consegue trabalhar em um ambiente contaminado. É tipo você estar em Chernobyl, a cidade que foi abandonada, você vai ter uma contaminação, alta ou baixa. Olha, fazem 30 anos de Chernobyl, aqui fazem 50 anos de Sarney. A contaminação não acabou. Como administrar isso, eu gostaria até de conversar com Flávio, conversei uma vez rapidamente, no Bar do Léo, depois daquele show que eu fiz. Eu falei da reforma agrária. É claro que um governador depende de decisões federais para fazer alguma coisa. O Iterma [Instituto de Terras do Estado do Maranhão] era um instituto paralítico. Eu, na época que fui empregado da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos [foi assessor de comunicação da entidade entre 1989 e 2002], vi funcionários do Iterma negociando lotes, envolvendo especuladores, como se a terra fosse propriedade do Estado, e não é. O Estado está ali para administrar. Tem que ter competência e respeito pelo cidadão que já está lá. Minha opinião não mudou nada nesse sentido: tem que avançar em relação à questão da reforma agrária, principalmente. Muita gente quer que eu assuma alguma postura em relação ao novo governo. Não! Eu acho que a gente tem que apostar no futuro. O passado foi muito doloroso, a gente tem que se afastar do passado. Se não tiver essa transição… Eu procurei ajudar na música, no jornalismo, escrevi muito texto contra a família Sarney, muitas vezes fui uma voz solitária. Um grupo diferente chega, já é um alívio. Eu sou um dos caras que está na expectativa. Não conheço a estrutura desse governo, mas eu posso cobrar de perto, tem pessoas conhecidas minhas e eu vou cobrar o tempo todo. Eu não mudei, não mudo, o meu comportamento vai ser o mesmo.

0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!