A morte do jovem que aplicou hidrogel no pênis
Tecnologia do Blogger.

A morte do jovem que aplicou hidrogel no pênis

cláudia collucci
É repórter especial da Folha, especializada em saúde. Autora de "Quero ser mãe" e "Por que a gravidez não vem?" e coautora de 'Experimentos e Experimentações'.
Escreve às terças.
26/07/2015  
Um jovem de 18 anos morreu na noite deste sábado (25) em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) após injetar hidrogel no pênis, segundo a polícia.
Ele foi levado à unidade de emergência do Hospital das Clínicas por volta das 16h30 e morreu quatro horas depois de insuficiência respiratória. A polícia investiga a morte.

O caso suscita muitos questionamentos. O primeiro deles são os potenciais graves riscos do uso inadvertido desse produto, como já ficou demonstrado no episódio envolvendo a modelo Andressa Urach e da morte de uma mulher em Goiânia (GO).


hidrogel é formado 98% por água e absorvido pelo corpo após cerca de dois anos. Em tese, quando usado por médicos e em doses recomendadas, é seguro, mas frequentemente temos visto várias complicações associadas ao seu uso. Entre elas, alergia, rejeição, infecção e necrose dos tecidos.

O perigo mais imediato é o produto ser injetado em um vaso sanguíneo, que pode provocar uma embolia pulmonar e morte, o que pode ter acontecido com o jovem de Ribeirão.

O hidrogel também pode se deslocar pelo corpo. A pessoa injeta no bumbum, por exemplo, e ele vai parar na coxa. Enfim, os riscos são grandes. Tanto que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a importação e a venda do produto no Brasil.

Contudo, não foi vetado o uso e a aplicação do hidrogel por clínicas e profissionais médicos que tinham o produto em estoque. A questão, porém, é a de sempre: quem está fiscalizando isso? E as vendas pela internet?
Outra consideração nesse caso específico é a obsessão masculina pelo aumento do pênis, sempre motivo de muita piada e de pouca discussão séria.

Basta uma rápida pesquisa no Google para observar as promessas mirabolantes que existem nesse sentido, incluindo a aplicação de hidrogel e de outras substâncias no pênis. Sem falar das geringonças vendidas em sex shops.

A vasta maioria desses procedimentos não tem nenhuma evidência científica de que funcione e, o mais importante, não tem garantia alguma de segurança.
Imagino que a pressão social seja grande para os homens de pau pequeno. Como já brincou o pessoal do humorístico "Porta dos Fundos", eles trocariam qualquer coisa por dois centímetros a mais de pau. Mas será que vale trocar até a vida por isso?

0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!