Governo prepara medida que abre caminho para intervenção na Oi
Tecnologia do Blogger.

Governo prepara medida que abre caminho para intervenção na Oi


Governo prepara medida que abre caminho para intervenção na Oi
Na dúvida sobre a possibilidade de uma "saída de mercado" para salvar a Oi da falência, o governo prepara uma "solução de emergência", que prevê a edição de uma medida provisória para permitir uma intervenção completa na operadora.
Embora seja formulada para resolver os problemas na tele, a medida contemplará qualquer empresa que hoje presta serviço público, em outros setores que não telecomunicação.


A medida vai alterar a legislação de recuperação judicial, autorizando intervenção em casos de concessão, autorização e até permissão.

A medida provisória é uma necessidade no caso da Oi porque, atualmente, a Lei de Recuperação Judicial só permite intervenção nos serviços prestados em regime público (concessão). Na Oi, isso só valeria para a telefonia fixa.

No entanto, de acordo com fontes do governo que acompanham esse processo, a operadora funciona com um caixa único. Ou seja: embora preste diversos serviços (telefonia fixa, celular, internet e TV), todas as receitas são contabilizadas juntas -o que dificulta a intervenção.

Além disso, o governo tem a preocupação de garantir a continuidade dos serviços prestados em regime privado (celular, banda larga e TV), via autorização.
O governo de Michel Temer confirmou à Folha que guarda a edição da medida provisória como uma carta na manga a ser utilizada num caso extremo.

O Planalto, de todo modo, ainda aposta numa "solução de mercado" a fim de evitar a intervenção, algo considerado indesejável, mas que pode se impor.

Na avaliação do governo, o empresário egípcio Naguib Sawiris é o candidato mais forte para investir na companhia com objetivo de longo prazo. Ele é o segundo homem mais rico do Egito e comanda a Global Telecom, empresa formada pela fusão da Orascom, de sua família, com a russa VimpelCom.

Mas as condições impostas pelo bilionário são tão grandes que, nos bastidores, está cada vez mais claro que há, sim, o risco de o caminho ser a intervenção.
Por isso, a Casa Civil já deu sinal verde para o grupo do governo que acompanha a situação da Oi preparar a medida provisória, mas ainda não há decisão final sobre a edição da norma.

DESTITUIÇÃO**
A minuta da MP prevê que a intervenção fique a cargo da agência reguladora competente. O prazo inicial seria de um ano, com renovação prevista para até três anos.
Todos os integrantes do conselho de administração e da diretoria-executiva da empresa sob intervenção poderão ser destituídos, exceto os integrantes do conselho fiscal. Nesse período, o interventor poderá até decidir sobre a venda da companhia com o juiz responsável pela recuperação.
Com uma dívida que ultrapassa os R$ 65 bilhões, a Oi, em recuperação judicial desde junho, virou alvo de disputas entre sócios e fundos agressivos que rondam a empresa e o governo, interessados em adquirir a operadora para vendê-la depois com ganhos elevados.

0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!