Município fará projeto de combate ao calazar em bairro de São Luís
Tecnologia do Blogger.

Município fará projeto de combate ao calazar em bairro de São Luís


Após reportagem publicada por O Estado no dia 16 deste mês, comprovando as mortes de quatro cães por calazar em apenas um quadrimestre (de abril a julho deste ano) no bairro Retiro Natal, a Prefeitura de São Luís - por meio da Vigilância Epidemiólogica - informou ontem, dia 20, que dará início a um projeto visando ao controle da doença. De acordo com o Município, as medidas de controle deverão começar pelo Centro Histórico e adjacências, em parceria com a subprefeitura da localidade.

A Prefeitura confirmou ainda que - além da região do Centro Histórico - deverão ser contemplados com o trabalho os bairros localizados nos arredores do Centro, incluindo o Retiro Natal. A realização do projeto que objetiva a diminuição dos casos de calazar foi determinada ainda no dia 16 deste mês, por meio das redes sociais, pela secretária titular da Semus, Helena Duailibe.

De acordo com a superintendente de Vigilância Epidemiológica e Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), Terezinha Lobo, até o fim desta semana, deverá ser divulgado o cronograma final e o conteúdo das ações (se, por exemplo, incluirão recolhimento ou não dos animais). "Vamos fechar tudo nos próximos dias e, em seguida, deveremos dar um parecer à população ludovicense", afirmou.
Sobre os casos registrados no Retiro Natal e denunciados por O Estado, a superintendente de Vigilância Epidemiológica e Sanitária afirmou que vinham sendo monitorados. "Estamos com dificuldades, no momento, já que, por exemplo, o CCZ [Centro de Controle de Zoonozes] ainda está passando por reformas e sem atividades. É preciso alertar à comunidade que procure vacinar seu animal e colabore, neste momento, com o poder público", disse.

Os casos - No Retiro Natal, a população ainda está temerosa quanto à ocorrência de novos casos de calazar na região. Os moradores confirmaram que, nos últimos meses, nenhuma equipe de saúde esteve no local para registrar os casos, ou mesmo efetuar o controle epidemiológico da doença. "Até o momento, ninguém da Prefeitura foi até a minha residência para ver como estão meus animais. É uma situação preocupante, já que vários morreram aqui no bairro nos últimos meses", disse a estudante e moradora do bairro, na Rua Paulo Frontin, Flaviana Cardoso.

O primeiro caso recente de óbito envolvendo animais em virtude do calazar aconteceu em abril deste ano. O segundo aconteceu em maio deste ano e teve como vítima um animal de dois anos e meio de idade e cujos sintomas começaram a aparecer em fevereiro deste ano. O terceiro aconteceu em junho deste ano e o quarto, na semana passada.
Os moradores da região apontam dois fatores para o problema: o acúmulo de animais possivelmente infectados, por causa da sujeira e especialmente no período noturno, nas instalações de um antigo hortifrutigranjeiro desativado, localizado na Avenida Getúlio Vargas. E o segundo fator seria a existência de animais "malcuidados" em um imóvel, na Rua Sílvio Romero, no Retiro Natal. Na tarde de ontem, ninguém foi encontrado na residência citada para tratar do assunto.



0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!