Mais do que delação da Odebrecht, Planalto teme possíveis revelações de Eduardo Cunha
Tecnologia do Blogger.

Mais do que delação da Odebrecht, Planalto teme possíveis revelações de Eduardo Cunha

POR PAINEL - FOLHA DE SÃO PAULO 

Bomba-relógio Integrantes do governo Temer dizem ter informações de que o pior das delações já passou. Mas quem acompanha a Lava Jato de perto afirma que as colaborações de Marcelo Odebrecht e de seu pai, Emílio, ainda poderão render dores de cabeça ao presidente da República. Nos bastidores, no entanto, o que a cúpula do Planalto mais teme não são os depoimentos de ex-executivos da empreiteira, e sim a convicção de que Eduardo Cunha não ficará em silêncio por muito tempo.

Por aqui, ó! Cunha esperava que seus companheiros o ajudassem a tirá-lo da prisão rapidamente. Há dois meses trancado, dizem que sua paciência está rareando.
Alma e coração Há convicção no Planalto de que o ex-deputado falará de qualquer forma, mesmo que a Lava Jato não aceite firmar com ele eventual acordo de delação.
Bom conselho No roteiro de seu depoimento, Marcelo Odebrecht chegou a mencionar sugestão de Cunha para contratar a Kroll. A empresa de investigação corporativa poderia monitorar os passos da operação. O empresário jurou não ter acatado a ideia.
São Tomé Ninguém acredita que a Odebrecht tenha comprado sozinha uma série de medidas provisórias que beneficiavam vários setores econômicos. Nos anexos, Cláudio Melo Filho cita uma empresa e duas associações interessadas em alterar leis.
Cresci, mas é segredo Já há dados da Fazenda que projetam alguma recuperação do PIB no primeiro trimestre. Mas, para evitar previsões prematuras, o governo continuará dizendo oficialmente que a economia só deve voltar a avançar a partir de abril.
Brasília 40ºC Um operador do mercado financeiro encontrou um influente parlamentar no corredor do Congresso Nacional, na última quinta (15), e deu o recado: “A sensação em São Paulo é que a administração Michel Temer está derretendo”.
É o que tem pra hoje O peemedebista rebateu sem sequer piscar: “Por acaso governo que está derretendo consegue aprovar PEC do teto e Orçamento tão fácil assim?”.
Fora, Piketty! Apesar das críticas de que só pesa a mão sobre o “andar de baixo”, o governo Temer não tem na manga nenhuma medida para taxar o “andar de cima”.
Escuto teus sinais Mais do que uma derrota de Geraldo Alckmin, a recondução de Aécio Neves no PSDB representa vitória da ala que defende a aliança com Temer mesmo na crise — posição que o governador preferia evitar.
Alfarrábio Tucanos fizeram troça com o fato de os alckministas terem optado por registrar seus dois únicos votos contra a prorrogação do mandato de Aécio,quando a cartilha política recomenda, na impossibilidade de vitória, juntar-se ao inimigo.
apode1812painel
Mastiga abelha “Não seguiram o velho ditado: malandro, quando vê que vai cair, deita”, ilustrou um aecista.
Dobrou a meta Bancadas aliadas já levaram queixas a Temer pensando em 2017. O ano, que antecede a reeleição dos parlamentares, será marcado por temas impopulares, como a Previdência.
Sem miséria A partir de janeiro, os congressistas esperam uma “retaguarda maior” do Planalto — cofre aberto e tratamento generoso em relação a obras paroquiais — para compensar o desgaste das votações indigestas.
Por fora, bela viola A repaginada do PMDB deve ir além do retorno ao nome MDB. A ideia é mudar também o visual — adeus, chama sobre a letra M — e focar na expressão “movimento”.
Lei de Acesso Apesar da boa relação entre Fernando Haddad e João Doria na transição, secretários da nova gestão reclamam da dificuldade em acessar dados das pastas que assumirão.

0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!