Museus de ciência estão concentrados nas regiões mais ricas do país
Tecnologia do Blogger.

Museus de ciência estão concentrados nas regiões mais ricas do país


Exposição fica até 21 de fevereiro em SP

Criado em 15/07/15 20h35 e atualizado em 15/07/15 21h36
Por Maina Diniz - Enviada Especial Edição:Armando Cardoso Fonte:Agência Brasil
O Brasil tem 268 espaços de divulgação científica mapeados, entre museus de ciência, planetários, observatórios, jardins botânicos e zoológicos. As informações sobre o que esses locais oferecem, além do endereço e telefone, estão no guia Centros e Museus de Ciência no Brasil 2015, divulgado hoje (15) pela Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência (ABCMC), durante a 67ª reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Desse total, 58% estão concentrados na Região Sudeste, 16% nas regiões Sul e Nordeste, 6% no Centro-Oeste e 4% na região Norte. Enquanto o estado de São Paulo tem 79 museus, o Piauí e o Maranhão só têm um. Os estados do Acre, Rondônia, Roraima e Tocantins não têm nenhum museu científico.
A pesquisa Percepção Pública da C&T no Brasil 2015, divulgada no início da semana pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), revelou que a dificuldade de acesso é um dos principais problemas para visitações.
De acordo com o levantamento, 40% das pessoas informaram não visitar centros de ciência e tecnologia porque não existem na região em que vivem ou ficam muito longe. Entre os pesquisados, 7,7% disseram não saber onde ficam esses locais.

Para o presidente da ABCMC, Carlos Wagner Costa Araújo, a diferença entre as regiões reflete a desigualdade do país. Ele ressaltou a importância do acesso a esses espaços científicos interativos para despertar o interesse pelo conhecimento. “Defendemos que as novas universidades, em especial no interior do país, têm de pensar na divulgação científica. Com isso, provocamos a vontade de entrar para o mundo da ciência, da universidade”, explicou.
Segundo Araújo, há espaço para ampliação do número de centros de ciência no país, mas é preciso ter incentivo. “O maior desafio são políticas públicas para financiamento desses espaços, pois os editais não são frequentes e não têm permanência.”
Conselheiro da SBPC, Ildeu de Castro Moreira avaliou que o Brasil precisa enfrentar desafios culturais e burocráticos para ampliar o número e a qualidade dos museus nacionais. Ele informou que, nos Estados Unidos, um terço do orçamento dos museus científicos vem do governo, um terço de doações de indivíduos e da iniciativa privada e um terço da venda de ingressos e do lucro de lojas que vendem vídeos e brinquedos.
Ildeu esclareceu que, no Brasil, o Poder Público é responsável por praticamente 100% do orçamento. Ele criticou o fato de os museus nacionais não terem lojas para ajudar no financiamento. "A burocracia não os deixa ter."
O conselheiro também defendeu maior participação da iniciativa privada no financiamento de museus de ciência. Segundo ele, é do interesse das próprias empresas, em especial as de tecnologia, apoiar iniciativas de educação cientifica, até para, no futuro, terem engenheiros capazes de melhorar a performance.
“No Brasil, algumas empresas públicas, entre elas a Petrobras, e poucas empresas privadas apoiam iniciativas de difusão da ciência. A grande maioria não faz nada. Tem uma questão cultural muito séria”, disse Ildeu Castro.
O pesquisador também destacou a necessidade de se pensar em uma legislação que favoreça o setor. “Na área da cultura, temos a Lei Rouanet, mas por ela a ciência nao é vista como cultura, o que éuma visão equivocada.”
Comparado à primeira edição do guia, em 2005, houve crescimento de 146% no número de espaços científicos no país. O coordenador do Museu da Vida da Fiocruz, Diego Vaz Bevilaqua, que participou do levantamento, atribuiu parte do crescimento à melhoria do diagnóstico, mas garante que também houve aumento do número de locais.

O guia pode ser acessado aqui.

0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!