Jovens podem ser os mais prejudicados por queda na economia
Tecnologia do Blogger.

Jovens podem ser os mais prejudicados por queda na economia

MAURO PAULINO

DIRETOR-GERAL DO DATAFOLHAALESSANDRO JANONIDIRETOR DE PESQUISAS DO DATAFOLHA


Muito se fala nos reflexos da inflação e da queda do poder de compra no perfil do mercado de trabalho, especialmente para os jovens que passariam a buscar mais inclusão por conta de perdas na renda familiar. O fenômeno geraria, segundo alguns, aumento da taxa de desemprego na população economicamente ativa, já que boa parte desse segmento que só estuda passaria a buscar emprego em cenário desfavorável.

Mas limitar a análise ao universo dos que exclusivamente são estudantes é subestimar o potencial de impacto da economia e, principalmente, de eventuais mudanças na lei de terceirização sobre a maioria do segmento --o conjunto dos jovens que já trabalham.


Segundo a última pesquisa nacional do Datafolha, a grande maioria dos brasileiros que têm de 16 a 24 anos faz parte da população economicamente ativa e a maior parcela (31%) é de assalariados com registro em carteira. O mercado informal (sem registro ou free-lance), que há 19 anos caracterizava o estrato, totaliza hoje 21% e a taxa dos que só estudam é de 25%. Estão buscando um emprego 8%.

Entre os jovens de 1996, pela base de dados do Datafolha, a situação era inversa: 22% tinham registro em carteira e 32% estavam no mercado informal. Nos anos seguintes, a situação piorou e a informalidade, somada à busca por um emprego, atormentou a realidade da maior parte dos jovens de 2003. Na ocasião, o desemprego cresceu acima da média no estrato e chegou a bater 14%.

O grau de escolaridade do segmento aumentou significativamente a partir do final da década de 1990. Há 19 anos, a maioria tinha apenas o ensino fundamental e a taxa de nível superior era de somente 5%. Hoje, 65% têm o nível médio e 22% cursam ou cursaram uma faculdade.

Nos últimos 12 anos, os jovens apresentaram taxas de inclusão na população economicamente ativa acima da média, especialmente no mercado formal. De 2002 em diante, o crescimento de participação de assalariados registrados na composição total da população subiu 9 pontos percentuais, enquanto entre os mais jovens, essa taxa foi de 14 pontos.

Por talvez ter conhecido apenas essa realidade, o estrato se apresenta um pouco menos pessimista do que as outras faixas etárias quanto ao aumento do desemprego e à queda no poder de compra.

Por outro lado, predominante nas jornadas de junho de 2013, esse é hoje o segmento mais apartidário, mais favorável aos protestos contra o governo e o que mais pede abertura do processo de impeachment de Dilma, apesar de quase 1/3 não ter votado na última eleição e de 35% avaliá-la como regular no cargo. Mesmo que crianças e adolescentes na maior parte das gestões petistas, é o grupo que mais cita Lula como o melhor presidente da história e o que mais aponta a educação como principal problema do país.

Cortes em políticas da educação, mudanças na lei de terceirização e a diminuição da maioridade penal, a depender dos formatos adotados, têm um potencial muito maior de frustrar esse segmento do que qualquer outro estrato da população.
Se a meta é, de fato, gerar maior inclusão e diminuir a violência, deve-se atentar também para a ameaça de se armar uma bomba relógio demográfica, capaz de recrudescer o que se comunica combater, agravando ainda mais a crise de representação.

0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!