Vencedor do Oscar estreia nas telonas de São Luís
Tecnologia do Blogger.

Vencedor do Oscar estreia nas telonas de São Luís

Mahershala Ali ganhou prêmio de Ator Coadjuvante pela obra
“Moonlight - Sob a Luz do Luar” tem sessões no Cinépolis; longa do diretor e roteirista Barry Jenkins levou ainda a estatueta de roteiro adaptado e de ator coadjuvante
Vencedor do Oscar de Melhor Filme em 2017, “Moonlight – Sob a Luz do Luar”, estreia hoje no Cinépolis (São Luís Shopping) em duas sessões: às 14h30 (apenas sábado e domingo) e às 19h30 (de segunda à sexta). O drama aborda uma história atemporal de relações humanas e autoconhecimento e narra a vida de um jovem afro-americano desde a infância até a vida adulta e sua luta para encontrar seu lugar no mundo enquanto cresce num bairro violento de Miami.

O longa, dirigido por Barry Jenkins (do pouco conhecido “Medicine for Melancholy”), disputou a estatueta com o musical “La La Land: cantando estações” que chegou a ser anunciado como vencedor durante a cerimônia realizada em Los Angeles (EUA), domingo último, 26. A confusão foi causada pela troca de envelopes. "Moonlight" levou ainda a estatueta de roteiro adaptado e de ator coadjuvante para Mahershala Ali.
“Moonlight” traz, ao mesmo tempo, um retrato essencial da vida contemporânea do afro-americano e uma reflexão intensa, pessoal e poética sobre identidade, família e amizade. Com produção independente, o filme vem ancorado em performances de um elenco formado por Mahershala Ali, Shariff Earp, Duan Sanderson, Alex R. Hibbert, Janelle Monáe, Naomie Harris e Jaden Piner. O roteiro, além da direção, é de Barry Jenkins.
Enredo
Sexualidade, etnia, status social, chances na vida, entrega às drogas, criminalidade, preconceito, bullying. Todos essas questões são abordadas em “Moonlight - Sob a Luz do Luar”, segundo longa-metragem de Barry Jenkins, que escreveu o roteiro com base em obra do dramaturgo Tarell Alvin McCraney.
Indicado a oito categorias, o filme é contado em três capítulos, cada um abordando um momento chave na vida do protagonista Chiron, de sua infância até tornar-se adulto, o filme costura temas socialmente relevantes e convida a discutir sobre formação, escolhas e determinismo social.
Apelidado de “Little” (pequeno), o tímido Chiron mora numa comunidade pobre da Miami da explosão do crack dos anos 1980 e, desde novo, sofre com os colegas de escola que o tacham de bicha (“faggie”) – embora nem ele mesmo, aos 10 anos, saiba o que isso quer dizer.
Quando chega na adolescência, a introspecção aumenta na mesma proporção do bullying. Somam-se mais 10 anos a essa história e Chiron aparece como “Black”, já líder do tráfico local. O que não muda, ao longo das três fases em que o filme divide a vida do personagem, é a busca por autoconhecimento – algo universal, inerente à vida de qualquer um.


0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!