Propina pagou até vestidos de festa para mulher de Cabral, diz Lava Jato
Tecnologia do Blogger.

Propina pagou até vestidos de festa para mulher de Cabral, diz Lava Jato

Resultado de imagem para sERGIO cABRAL PRESO

A propina do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro) direcionada ao ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), preso nesta quinta (17)num desdobramento da Operação Lava Jato, pagou móveis, eletrodomésticos, veículos, máquinas agrícolas e até vestidos de festa para a ex-primeira-dama do Estado, Adriana Ancelmo.


De acordo com o Ministério Público Federal, Cabral recebeu, em espécie, R$ 2,7 milhões da Andrade Gutierrez pelo contrato de terraplanagem do Comperj -o equivalente a 1% da participação da empreiteira na obra.

O fato foi delatado pelos próprios executivos da empresa, colaboradores da Lava Jato. Cabral sempre negou que tenha solicitado propinas e afirmou ter tido "apenas relações institucionais" com as empreiteiras durante seu governo.

Desse total, R$ 950 mil foram pagos em compras de bens de alto valor, como os vestidos de Ancelmo, e em depósitos bancários de até R$ 10 mil, segundo levantamento parcial do MPF.

"Foi uma estratégia para evitar a fiscalização financeira e tentar esconder o produto do crime", afirmou o procurador Athayde Ribeiro Costa, do Ministério Público Federal no Paraná.

Foram comprados seis vestidos de festa para Adriana Ancelmo, que foi alvo de condução coercitiva da operação, segundo o procurador. Máquinas agrícolas e financiamentos de automóveis também estão entre as compras feitas com propina.

O emissário de Cabral, segundo as investigações, era Carlos Emanuel Miranda, preso preventivamente e apontado pelo MPF como "um grande coletor de dinheiro" para o ex-governador.

Miranda é casado com uma prima do peemedebista e já foi citado na Operação Castelo de Areia, que investigava a Camargo Corrêa.
Segundo a investigação, ele coletava o dinheiro na sede das empreiteiras e o carregava em mochilas

0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!