Aos 93, dona Ivone Lara ganha 'sambabook' em sua homenagem
Tecnologia do Blogger.

Aos 93, dona Ivone Lara ganha 'sambabook' em sua homenagem


Aos 93, dona Ivone Lara ganha 'sambabook' com participações que vão de Caetano a Criolo; saiba mais sobre a carreira da dama maior 
do ziriguidum http://arte.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/08/24/ivone-lara/


ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
ENVIADA ESPECIAL AO RIO

Dona é a vovozinha. "Eu era mocinha, achava que me chamar de 'dona' estava me envelhecendo. Me chama só de Ivone Lara e pronto, tá acabado."

Mas estava só começando para a "mocinha" de 56 anos –quando ganhou o pronome de tratamento que a imortalizou na música brasileira, tascado à frente de seu nome pelo apresentador Osvaldo Sargentelli, o "papa do ziriguidum", segundo Chacrinha.

Hoje dona Ivone Lara, vovozinha com 93 anos e dois bisnetos, se dá o devido respeito. "Disseram para mim que eu não devia achar ruim porque era uma prova de consagração", conta à Folha antes de estender a mão para pegar uma coxinha frita, fazendo os "balangandãs" nos pulsos e no pescoço tintilarem.


Durante o samba, o manicômio. Ela se formou enfermeira em 1942 e trabalhou com a psiquiatra Nise da Silveira no hospício que abrigou o esquizofrênico Bispo do Rosário. Dona Paula, mãe de Paulinho da Viola, foi colega no ofício –do qual se aposentou em 1977, já sambista consagrada.

Chegou a fingir que estava doente para fazer show em Paris, de onde voltava com a mala abarrotada de perfumes como o "Paloma Picasso".

É A MÃE

"Sonho Meu", que Caetano define como "um negócio celestial", não se restringiu às rodas de samba. Serviu de hino pró-anistia na ditadura, pelo trecho "vai buscar quem mora longe, sonho meu". Na zona sul carioca, virou xaveco.
"Sonho Meu", revela Ivone, se referia à sua mãe. E com ela no repertório de "Álibi" (1978), Maria Bethânia foi a primeira mulher a vender mais de um milhão de discos no Brasil.

Em 1977, convidada para atuar no filme "A Força de Xangô", a bisneta de escravos achou que teria um papel menor, como o de costureira. Mas encarnou a poderosa Zulmira de Iansã, inconformada com o parceiro mulherengo, e rival de Elke Maravilha.

Ivone fez história como a primeira compositora das escolas de samba cariocas do primeiro escalão. Isso na época em que cabia à mulher preparar a feijoada no barracão. "Eu, não! Fora da minha casa não cozinhava para ninguém."

AGORA É QUE É ELA
"Samba pra mim é meu sonho preferido", diz a homenageada no "making of" do DVD do "Sambabook Dona Ivone Lara". Não só dela: clássicos seus foram regravados por gerações da MPB, como Caetano, Zélia Duncan e Criolo.
Diretor artístico do projeto, Afonso Carvalho diz que a versão de "Nasci pra Sonhar e Cantar" da cantora de fado Carminho com o bandolinista Hamilton de Holanda, foi das que mais agradou a dona.
Exceto João Nogueira (1941-2000), o primeiro "sambabook", Carvalho tem preferido honrar os vivos: Martinho da Vila, Zeca Pagodinho, Ivone e Jorge Aragão em 2016.
Cita Nelson Cavaquinho, que pedia em "Quando Eu Me Chamar Saudade" deferências em tempo real: "Me dê flores em vida".

0 comentários:

Postar um comentário

visualizações!